sábado, 24 de maio de 2008

Pronto, vó!!!


Minha irmã, depois que desistiu de plantar roupinhas, tornou-se uma mulher incrível e uma avó de primeira classe.

Um dia desses, depois de ter trabalhado até as quatro da manhã, estava ela ( ou o que sobrou dela) em plena atividade “avoristica”, pelejando, as sete da madrugada, com um neto de três anos ligado no 220.

Exausta, mas ainda tentando bravamente dar conta da situação, sugeriu a ele que assistisse televisão. Procurou o canal favorito e, colocando um colchão no chão ao lado dele, disse:

- Fica quietinho aqui. A vovó fica com você, enquanto assiste, e aproveita para dormir um pouquinho, ta?

Como não houve reclamação, ela deitou-se, e deixando ligado o radar que se usa quando se está dormindo, cochilou.

Não demorou nada e ela ouviu:

- Vó, quero bolacha!

Estoicamente ela se dirigiu a cozinha e fez vários e vários sanduichinhos de bolacha, do jeito que ele tanto gosta. Voltou, colocou o prato em frente a ele e deitou-se novamente, pensando: Descanso, enfim!

Mal tinha passado para o sono e a voz novamente a interrompe:

- Pronto, vó!

E ela:

- Come, filho!


Silêncio. E novamente a voz:

- Não quero, vó!

Passado algum tempo ela ouve novamente:

- Pronto, vó!

E ela insiste:

- Come, filho!!
Passado algum tempo nesse jogo ela abre os olhos e se dá conta que ele não está mais ali.

Seguindo a voz que continua a repetir, sem cessar, o tal do pronto, ela chega ao banheiro, e gargalhando, fita uma criança com carinha desconsolada que olha para ela e diz:

- Não gosto de comer cocô, vó Laura!



10 comentários:

O Sibarita disse...

Eita vó retada!

Muito bacana esse treco de vó e vô, embora, eu não seja avô, mas, com os netos renscemos também.

Sua irmã que o diga, o quanto ela está mais jovial com a neta. Parabéns a ela!

bjs
O Sibarita

Professor Sérgio Aulas OnLIne disse...

Mes que vem chega Cecilia, netinha querida...
Mas lendo o conto, voltei a ser criança, lembrei da minha vozinha querida que tanto amor nos dava...
Vovós, vovôs...
Será que terei tanta sabedoria?
Beijos, parabéns Lucia...

Lucia disse...

Sibarita:

Neto é tudo de bom..rs.
Eles fazem o que querem da gente e nós damos risada e agradecemos..rs
Com certeza renascemos com eles, mas moço, te confesso..as vezes me vejo a beira da extinção..rs
Beijos

Lucia disse...

Sergio:

Vai ter, com certeza. A hora em que pegar a Cecilia nos braços vai ver que tudo o que existe de melhor em você vem a tona.
A gente não consegue evitar, é mais forte do que nós.
Beijos

Sonia Regly disse...

Querida Lu,
Estou amando seus texto, todos com uma mensagem muito bacana.Amanhã começo a trabalhar, minhas visitas diminuirão um pouco, pois o tempo é curto para cuidar de tudo.Não tenho me sentido bem, às vezes parece que vou ficar asfixiada, pressão alta!!!Estou vendo um cardiologista. Beijinhos.

Lucia disse...

Sonia:

Obrigada!Tenho sentido necessidade de escrever sobre coisas diferentes. É bom ver que não importa o tema escolhido as pessoas sentem interesse e se identificam com ele.
Beijo

Dora disse...

Lu, muito bom este texto. Situação típica vivida mesmo só por uma avó. Rsrsr...
Por isso, afirmam muitos ser a relação de avós e netos, um relação singular e lúdica.E este epsódio vivido por sua irmã e o neto é um verdadeiro exemplo.
Bjs...

Lucia disse...

Dorinha:

Que bom que gostou! Sabe o que eu queria, mesmo? Ler aquela crônica da sua sobrinha e, se ela permitisse, publicá-la aqui. O que você acha?
Beijos

Anônimo disse...

Quem leu "Lembranças de infância" sabe que a primeira lição aprendida foi: nunca subestimar a irmã mais nova... pois é, não aprendeu não??? Joga meu nome na roda e acha que não vai ter volta?
Conta aquela história de querer saber como um ladrão faz pra entrar pelo vitrô...
Conta essa, conta outras...vai contando, escrevendo e me fazendo mergulhar na dentro de mim.
E eu que já te admirava tanto, fico aqui lendo e esperando que você crie um vocábulo... uma palavrinha...qualquer coisa que possa expressar o que sinto por vc.
um beijo enorme
irmã mais nova

Lucia disse...

Ah, Lau:
Me emocionei muito, aqui. Tantas lembranças! Acho que poderia encher o blog só com metade das coisas que vivemos. Sabe que eu não lembrava da história do vitro? Pq será, né? rs
Mas vou escrever sobre isso, tb. Tenha calma e será vingada..rs
Te amo muito, irmãzinha.
Beijos