segunda-feira, 30 de junho de 2008

Comemoração na ausência




Hoje te olho dentro de mim. Imagino teus traços. Converso contigo e pergunto das tuas preferências, dos teus sonhos. Ouço uma conversa imaginária onde me contas do teu final de semana: onde foram dançar, você e seus amigos. As conversas que tiveram, as meninas com as quais dançou, os beijos que trocou. Crio dentro de mim um sem fim de possibilidades. Como serias, se estivesse aqui, hoje? Estarias formado? Que profissão terias escolhido? Estarias apaixonado? Para que time torcerias? Que músicas preferirias?

São tantas pequenas coisas que não vivemos e das quais sinto uma saudade infinita. A primeira palavra, o primeiro tombo, a primeira dúvida, o primeiro dia de aula. Todas as férias que não compartilhamos, os livros que não lemos juntos, os filmes que não assistimos. A primeira saída noturna, o primeiro amor, a primeira decepção. Ah, meu filho! Que saudade sinto dos anos que nos foram roubados.
Hoje é seu aniversário. Quero parabenizá-lo por hoje e por todos os anos em que não pude fazê-lo. Quero dizer-lhe, ainda, que o breve tempo que estivemos juntos foi um dos maiores presentes que recebi em toda a minha vida. Obrigada, meu querido. Eu amo você!

26 comentários:

Odele Souza disse...

Lucia,
Lendo este texto meu coração fica apertado. Saudades dos anos que foram roubados...

Sem saber o que escrever, saio em silêncio, mas te deixo então um grande e forte abraço.

Lourdes disse...

Lu:

Sem saber o que dizer. Apenas com um aperto enorme em meu peito. Você é linda demais.

Carinho

Maripa disse...

Minha querida...é também sem saber o que dizer e sem saber o que escrever que a deixo com o coração pequenino e triste porque ,às vezes, escrever também dói.


Um beijo enorme com todo o carinho.

Etelvina de Oliveira disse...

Oi, querida
acabo de postar textos de saudades no meu blog.
Chego aqui e te leio assim.

Não há nada que se possa dizer, apenas saiba que EU AMO VOCÊ.

um beijo no seu coração

Lucia disse...

Odele:

Perdi a conta das vezes em que sai do blog da Flavia exatamente desse jeito que você escreveu aqui: sem saber o que dizer. Mas sua presença disse tudo o que precisava ser dito. Obrigada!
Um beijo enorme para vocês duas.

Lucia disse...

Lourdes:

Também fico sem saber o que dizer.
Obrigada, de coração.
Beijos

Lucia disse...

Querida Maripa:

Escrever a saudade talvez tenha sido uma das coisas mais difíceis que fiz, até hoje. Os sentimentos sobram, as palavras faltam. Parece
uma melodia fora de ritmo. Tentei me ajeitar o melhor que pude em meio aos acordes.
Um beijo muito grande!

Catarina disse...

Querida Lucia

Há cosias que ainda estamos longe de entender...

Há momentos que o melhor é abraçar e chorar junto...

Mas diante disto tudo me lembro de uma história, não me lembro quem me contou...

Numa cidade distante, da menina do poço...

Um milagre, uma vontade divina, para que algo se realizasse...

Um grande abraço desta sua grande amiga.

Lucia disse...

Etel:

Então vamos compartilhar a saudade e o silêncio.
Beijos, minha amiga querida

Lucia disse...

Catarina:

Estranha história, cheia de nuances que se coadunam... ou não.
Obrigada pelo abraço, pelo carinho.
Um beijo

Rosani Nauar disse...

Olá! Lucia

Nao sei colocar em palavras q sinto, somente quero saiba q estou profundamente emocionada.


beijos, Rosani

Lucia disse...

Rosani:

Não é verdade que você não sabe colocar em palavras o que sente. Você o fez da sua forma. Eu senti o que me disse e agradeço.. muito!!
Beijos

O Sibarita disse...

Querida Lúcia,

Não, não... Hoje, eu não sorrio, hoje, eu não brinco. Hoje, se me permite e desculpe, compartilho esse seu momento...

E digo-lhe que os bons, os cheios de luz, vêem, dão os seus recados mesmo que em tão pouco tempo e retornam deixando ensinamentos e aprendizados.

O seu texto, é algo tão estraordinário que toca à todos profundamente nos levando a reflexões sob o ponto de vista de uma perda, ele não é triste como inicialmente se pensa, ele é acima de tudo uma lição arrebatante...

bjs
O Sibarita

Maripa disse...

Minha querida...Queria estar aí pertinho para a poder abraçar.

Lucia disse...

Sibarita:

Foi uma coisa que me disseram muitas e muitas vezes, na época: que ele era um espirito de luz. Acredito nisso; que ele era mesmo um espirito iluminado, que foi uma lição de amor. A mais preciosa e profunda que eu já vivenciei.
Beijos, meu amigo

Lucia disse...

Maripa:

Mas estou sentindo um abraço gostoso, aqui.. e com cheirinho de mar, que eu adoro!!
Beijos, minha querida

Deusa Odoyá disse...

Oi minha amiga Lucia.
Obrigado por suas visitas.
Olh amiga, as vezes em nossa vida ocorrem passagens que nem nósprópria sabemos definir.
Somos movidas a impulsos.
Impulso de silêncio, de tristezas e muitas vezes de dor.
Dor de uma perda, uma saudade.
e de uma passagem de tempo, a qual não haverá retorno.
Espero que vc. consiga entender esses ensinamentos, que ás vezes são o bálsamno para nossas almas.

Beijos amiga.
Que a luz de nossso senhor e seus anjos te iluminem sua caminhada, aqui nessa terra.

Beijos amiga.

Regina Coeli.

Lucia disse...

Regina:

Obrigada! Que Deus ilumine todos nós!
Beijos

Anônimo disse...

existem presentes que são compartilhados por pessoas que se amam... obrigada por me dar um presente tão lindo...tão breve e tão intenso...
as festas, balões, bicicletas...tudo isso está dentro de nós...prá sempre
te amo muito, guerreira

Lucia disse...

Lau, minha linda e preciosa irmã mais nova:

Eu é que tenho muito para te agradecer. Você sempre esteve ao meu lado. Desde crianças, e até hoje. E olha, acho que ser guerreira é de família, porque você
me coloca no chinelo com a tua força.
Eu te amo demais, minha irmã

Ivete disse...

Hoje me senti assim.....
Meu silencio vai definir sobre o que senti ao ler sua msg.
beijos fraternos


tem recadinho pra vc la no meu cantinho

Lucia disse...

Ivete:

Como você mesma sabe, as vezes o silêncio diz mais do que qualquer palavra que a gente conheça.
Beijos

Obrigada por me avisar do recadinho. :0)

Anônimo disse...

Ai Lu... li seu texto agora; Não há muito a ser dito. Comoveu-me... acho que de imediato, lembrei-me... e refleti sobre duas coisas;

A primeira, sobre o quanto é honesto de sua parte... falar sobre sua dor, seu luto, ou "melhor" a saudade de seu filho.
Em algumas situações tentamos negar, dissimular nossos lutos... esquecer... e não dá.
Seu filho é importante hoje - não foi esquecido... e isto é muito nobre, é louvável, é humano.

A outra coisa que me lembrei... foi quando me contou, recorda-se? em janeiro passado que seu filho também chamava "Felipe" como o meu... e que não havia me contado antes para que eu não me "sensibilizasse"...
Falou-me sobre o falecimento de seu filho (pois eu não sabia), quando te relatei por e-mail, meados de 2005, sobre a passagem do meu filho na UTI...

Estas coisas só me fazem sentir que os encontros na vida nunca são casuais.

Espero que esteja bem.

Beijos, abraços, cosquinhas, rs

Thereza.

Graciene disse...

Lúcia, não é fácil perder um filho, eu perdi um antes que ele nascesse e mesmo assim sinto a sua falta... Força amiga, a lembrança trás de volta à vida aqueles que perdemos e que vamos sempre amar.

Um beijo.

Lucia disse...

Olá,Thereza:

Estou bem, sim, minha querida. Acho que fiz um passeio pela saudade, apenas. Um desses inevitáveis passeios, que você tão bem conhece..rs.
Beijos para você e para o Lllipe

Cosquinhas? rs.. taí, gostei..rs

Lucia disse...

Graciene:

Não importa o quando, o vazio que um filho deixa é sempre algo que nada vai preencher. Mas, teimosos que somos, continuamos a viver a vida e a dar vida a outros seres e coisas. Você mesma está passando por um momento muito bonito, de dar vida a algo seu. Como está caminhando o livro? Estou torcendo muito por você.
Beijos, menina escritora.